Dimas / BlogDimas / BlogBLOG

Categorias

Contato

Olá, então, curtiu nosso conteúdo? Tem uma sugestão para nos dar? Quer fazer um elogio à nossa equipe ou simplismente deseja entrar em contato com a gente? Fique a vontade.

    Mensagem enviada com sucesso!

    Estilo de vida

    3 perguntas para Luciano Martins sobre arte e Metaverso

    Tempo médio de leitura - 03 minutos

    Realizar eventos e exposições em galerias, produzir shows de arte, performances, festas e divulgação de produtos, interagir com usuários e participar de um bate-papo… todas essas atividades já são possíveis dentro do Metaverso, que vem, aos poucos, ampliando as possibilidades no mundo da arte. No Brasil, um dos pioneiros é o projeto Meta Art City, que tem Luciano Martins como o primeiro artista a ter suas obras expostas na galeria. No dia 30 de junho, Luciano falou sobre Metaverso e a arte, seu funcionamento, suas oportunidades e NFTs em um Talk no Showroom do D/Nex Smart Living, no Estreito.

    O Meta Art City é um ambiente futurista digital, onde as pessoas podem andar por galerias de artistas com a experiência de imersão dos jogos em primeira pessoa. Confira mais detalhes na entrevista abaixo:

    Pode explicar melhor como funciona o Meta Arte City?

    O Meta Art City proporciona uma nova experiência de interação com a arte, possibilitando que qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, conecte-se com artistas e suas obras ao mergulhar em um ambiente digital imersivo e futurista que oferece inúmeras possibilidades de interação, relacionamento e comercialização de ativos digitais. É o primeiro metaverso de arte brasileiro que oferece aos artistas a possibilidade de publicar suas obras em galerias virtuais em 3D em um ambiente conectado às principais plataformas de NFTs, carteiras digitais e criptomoedas existentes atualmente. Com ele, os artistas poderão ampliar os horizontes de disseminação das suas obras e buscar novas oportunidades de negócios no amplo e inovador espaço da web 3.0.

    Com o Meta Art City, buscamos democratizar o acesso ao universo da arte digital, oportunizando interações e experiências digitais que promovem a divulgação de artistas de todo o mundo e possibilitam novas formas de renda e o desenvolvimento de artistas de vanguarda.

    É possível para um artista começar sua carreira diretamente no digital? Como você avalia essas novas oportunidades para jovens artistas?

    Acho que é possível, sim! A tecnologia ou o pincel são apenas os instrumentos, o que vai diferenciar sempre um artista é a “ideia”, sua criatividade em se expressar. É claro que uma boa base artística ajuda. Eu, por exemplo, não vivi na época da renascença ou do impressionismo, mesmo assim estudei essas escolas para aprofundar meu conhecimento artístico. Da mesma forma, hoje em dia estou sempre estudando para me integrar mais

    nesse novo ambiente tecnológico. Buscar conhecimento é libertador! Mas o jovem artista que já está acostumado com um ambiente digital terá facilidades.

    De que maneira o Metaverso pode ir além do hype? Como você pensa que ele vai se consolidar no futuro quando o assunto é mercado da arte?

    Não tem como dizer que o metaverso é um hype hoje porque atualmente existem poucas plataformas que disponibilizam esse tipo de serviço e a maioria dos usuários são “early adopters”. O termo Metaverso pode estar na moda, mas a utilização de sistemas e plataformas de metaverso ainda não faz parte do dia a dia das pessoas. Para que o Metaverso vá além de uma palavra da moda e se torne popular no dia a dia, acredito que será necessário que as plataformas atuais se consolidem e que muitas outras surjam, oferecendo novos serviços e diversas opções. Do ponto de vista dos usuários, também temos que avançar muito na ampliação das bases de pessoas que estejam utilizando ambientes deste tipo.

    Quanto à consolidação do metaverso no mercado da arte, a tendência é que ele se torne cada vez mais relevante do ponto de vista de produção e comercialização de arte. Hoje existem diversos serviços como museus virtuais e aplicativos em que é possível navegar por galerias de arte. A tendência é que novos serviços sejam incorporados oferecendo funcionalidades de marketplace de obras digitais e até físicas. Ainda existe muito espaço e necessidade por sistemas que ajudem os artistas a entrar neste mercado e conseguirem ampliar suas fontes de receita atingindo novos mercados.

    Luciano Esteve no Showroom do D/Nex Smart Living no dia 30/06 para falar sobre Arte e Metaverso. Além do Talk, os convidados tiveram a experiência de visitar 3 apartamentos decorados em 2 estilos através do óculos de realidade virtual. O evento foi incrível e você pode conferir um pouco do que foi abaixo.

    Não fique por fora de nosso conteúdo.

    Assine nossa Newsletter